Manoel Moraes - 01.03.2016

Manoel Moraes

Sábado passado, 27 de fevereiro, fui surpreendido com a notícia do falecimento do meu amigo Manoel Moraes. No domingo (28) participei do seu enterro. O caixão estava coberto com a bandeira do Paysandu. Ele jogou basquete ao lado de Nelson Maués, Zamba, Pelé, Felinto, Maroja, Lula, sob orientação do irrequieto treinador Chico Cunha, formando verdadeira seleção paraense que dominou as quadras de Belém nas décadas de 1960/70.

E esse timaço do Paysandu um dia veio jogar em Santarém, o adversário foi a seleção do Dom Amando. Brincando com o seu xará Manoel Campos (Manelão), Manoel Moraes apostou que o Paysandu venceria com uma diferença mínima de 50 pontos. No time do Dom Amando, além do Manelão, lembro do Carioca e do Pedro Bafo. A quadra do colégio ainda não era cimentada. No final a diferença em favor do Paysandu ultrapassou os 50 pontos da aposta.

Manoel era craque em todos os esportes coletivos. Joguei futebol de campo e de salão com ele. Fomos vitoriosos nos dois. Em 1965 conquistamos o primeiro e único campeonato do América, time formado em sua maioria por alunos do Dom Amando. Titulo que no próximo dia 20 de março completará 50 anos. A última e decisiva partida do campeonato foi disputada nessa data, em 1966, contra o Flamengo. Manuel foi fundamental nessa conquista, dentro e fora de campo.

Em 1967, em função da reforma no gramado do estádio Aderbal Corrêa, não foi disputado o campeonato santareno. A família Meschede possuía um terreno na estrada BR 163, o Arraial, e lá foi organizada uma pelada aos sábados. O poste de uma das traves era uma seringueira. A turma do América brincava lá. Manoel passava por casa e íamos para o Arraial. Depois da bola tinha a cervejada num bar da Av. Mendonça Furtado. O velho Manoel Moraes, pai do Manoel, era representante da CERPA. A cerveja ficava por conta do dono bar, que não tinha acertado as contas com o velho Moraes.

No início da década de 1970 foi inaugurada a quadra de esportes da Polícia Militar. O jogo da inauguração foi entre o América e o time da Polícia. Essa partida também dava início à disputa do campeonato de futebol de salão. Na época, devido ao meu emprego, à cada 40 dias estava em Santarém e o Manoel me inscreveu pelo América para a disputa do campeonato. Nessa noite a torcida da Polícia lotava a quadra, espremendo a inexpressiva torcida do América. Goleamos os donos da casa com um placar que ultrapassou a casa dos dez gols.

Nesse dia nosso goleiro foi o Zé Maria, irmão do coronel Nunes, atual presidente da CBF. Ele era da Polícia Militar, mas jogava pelo América. Oneda, militar do 8º BEC; o craque Abdala, o Manoel Moraes e eu.

Pois esse Manoel que eu admirava tanto foi embora.

Dominava os fundamentos do futebol como poucos.

A condução da bola, o passe, as finalizações, o cabeceio, tudo fazia com maestria.

Jogava de cabeça erguida, sua visão periférica do gramado facilitava a execução das jogadas. Jogadas que, muitas vezes, só ele enxergava.

Em Belém, antes dos jogos do Remo (sábado 27/2) e Paysandu (domingo 28/2) foi prestado um minuto de silêncio em sua homenagem.

Pena que nunca quis ser atleta. Preferiu ser apenas jogador de basquete e futebol!




Comentários

Escreva um Comentário

 

 

Comentários

  1. jb Em 2016-03-07

    Meu caro amigo, Bonito esse acervo e maior a tua dedicação. Não se esqueça de datar os artigos. Simples assim. Abraços.

  2. Cristovam Sena Em 2016-03-09

    Obrigado JB pelo elogio e observação da data.